segunda-feira, 27 de junho de 2011

ORIENTAÇÕES SOBRE ELABORAÇÃO DE PLANO DE TRABALHO DOCENTE - ELISANE

COLÉGIO ESTADUAL PROFESSOR BRANDÃO – ENS. FUND E MÉDIO
Av. João Gualberto, 953 – Alto da Glória / Curitiba-PR - Fone/Fax: 3252-7012 / 3252-4039
e-mail: eep_brandao@yahoo.com.br
ORIENTAÇÕES QUANTO À ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DOCENTE

1 – O Plano de trabalho docente expressa o planejamento das aulas do professor, tendo sua periodicidade em função do sistema de avaliação.
2 – O plano expressa a organização do trabalho, bem como respalda e legitima a metodologia de aula, os critérios avaliativos, os recursos avaliativos utilizados e a definição de pesos dos instrumentos de avaliação.
3 – O plano de trabalho, portanto, não é um documento do professor, embora seja elaborado por ele em função da previsão das suas aulas. É um documento do estabelecimento de ensino e deve ser realizado a cada início de bimestre e entregue, impreterivelmente, a equipe pedagógica a fim de respaldar as intencionalidades da ação docente.
4 – O plano de trabalho docente terá a mediação da equipe pedagógica, no sentido de orientar a definição dos elementos do trabalho pedagógico: currículo, avaliação, instrumentos metodológicos e avaliativos.
5 – Não há necessidade do professor apresentar o seu plano em forma de quadro. O plano expressa movimento e pode ser descrito pelo professor a partir dos elementos que o constituem. Fica, portanto, a critério do professor a organização visual a partir do quadro.

ELEMENTOS DO PLANO DE TRABALHO DOCENTE

CONTEÚDO -

O conhecimento é o objeto de trabalho do professor. Sua ação pedagógica consiste em dar conta do ensino e da aprendizagem dos conteúdos por parte do aluno. O conteúdo é o recorte geográfico, histórico, político, filosófico, cultural e científico do conhecimento.
Que conhecimento?
O conhecimento universal produzido historicamente pelo coletivo da humanidade, apropriado, reapropriado, produzido e reconstruído pelos alunos a partir dos conhecimentos: científico, histórico, estético, filosófico e cultural.
Vale ressaltar que estes conteúdos de ensino devem responder aos objetivos definidos pela disciplina na Proposta Pedagógica, bem como ao objetivo da educação. Expressam a visão de mundo, de homem, de sociedade, pensados a partir do Projeto Político Pedagógico.
Portanto, o que define o recorte do conteúdo é a intencionalidade do trabalho docente definida pelo professor na proposta pedagógica e não o livro didático adotado pelo estabelecimento de ensino.
A cada conteúdo escolhido cabe ao professor questionar: por que este e não aquele conteúdo? Com qual intencionalidade este conteúdo será trabalhado com esta ou outra série e de que forma será, então, trabalhado?
Os conteúdos do Plano de trabalho docente não são anuais, são bimestrais uma vez que o sistema de avaliação é bimestral. A lista de conteúdos anuais está na Proposta pedagógica curricular, a qual deverá ser utilizada para elaborar o plano.

Objetivos e critérios de avaliação

Expressam a intencionalidade dos conteúdos selecionados pelo professor. São, assim, os desdobramentos dos conteúdos previstos anualmente na Proposta Pedagógica. São específicos, voltados ao conteúdo e não à disciplina, portanto, não se repetem em todos os Planos de Trabalho Docente. Os objetivos da disciplina já estão definidos na Proposta Pedagógica Curricular, os quais subsidiarão a definição dos conteúdos no Plano de Trabalho Docente.
Significa que o conteúdo trabalhado expressa uma intenção. Ela é representada nos objetivos. Contudo, não há a preocupação, de forma alguma, de o com o tipo de verbos que serão ou não usados. A lista de verbos específicos usadas na década de 70 e 80 expressa a lógica tecnicista de controle do comportamento do futuro trabalhador no contexto da ditadura militar.
Os critérios de avaliação são o espelhamento dos objetivos.
Critérios não são pesos, não são instrumentos!
Eles respondem às expectativas de aprendizagem que o professor tem do aluno em relação ao que foi trabalhado com o conteúdo de ensino. Portanto, comportamento, participação, pontualidade, erros de ortografia, apresentação, estética, não são avaliados em disciplinas por onde estes supostos critérios não representarem os seus conteúdos.
Exemplo: alguns deles, em consonância com os objetivos, podem ser avaliados em Língua Portuguesa, Educação Física ou Artes.
Destaca-se que escrita correta - ortografia e concordância - é condição de uso da língua escrita e não opção para ser avaliada. O aluno impreterivelmente deve ser cobrado e corrigido, em sua escrita, por TODOS OS PROFESSORES.
Com base nestes critérios suscitamente representados e definidos a partir dos objetivos é que serão pensados os instrumentos metodológicos, avaliativos e seus pesos.

Exemplo conteúdo
REVOLUÇÃO RUSSA
Objetivos
Analisar o contexto histórico da revolução russa, bem como o papel da mulher e dos movimentos sociais no processo revolucionário.
Compreender os modos de produção capitalista e socialista e sua forma de manifestação social, politica e econômica.
Analisar o impacto dá guerra fria sobre o movimento de bipolaridade necessário para a contenção da hegemonia do capitalismo
Analisar o impacto do fim da guerra fria sobre a dominação e subsunção dos países latino americanos em relação ao imperialismo norte americano, bem como a relação com a globalização econômica e o neoliberalismo.
Analisar o impacto do neoliberalismo na economia, nas relações sociais, no papel do estado e na vida das pessoas em relação provimentos dos direitos constitucionais.
(...)
.estes objetivos podem ser sucintamente representados pelos seguintes critérios:
o aluno :

Compreende o contexto histórico da revolução russa e o papel dos movimentos sociais na conquista do socialismo.
Compreende a diferença entre os modos de produção socialista e capitalista.
Compreende criticamente o impacto do fim da guerra fria sobre a hegemonia do capitalismo global e suas consequências sobre as políticas, a economia e as desigualdades sociais.

Instrumentos metodológicos e avaliativos
Alguns instrumentos metodológicos utilizados pelo professor para ensinar podem ser e ao mesmo tempo são estratégias para avaliar. Seminários, debates, histórias em quadrinhos, paródias, trabalhos escritos, teatros, pesquisas em grupo em sala ou campo são instrumentos metodológicos e avaliativos.
Eles devem responder diretamente a intenção do conteúdo.
Ao se pensar que o plano não pode ser concebido pelo professor como um elemento burocrático, os instrumentos metodológicos não podem ser tomados como um campo para ser preenchido, onde nele cabem metodologias do tipo “tabajara”, que m para qualquer disciplina, série ou conteúdo. Aulas expositivas podem e devem ser metodologias de todas as disciplinas, mas obviamente não são o único recurso para ensinar.
Vale destacar que a metodologia do professor é elemento fundante da disciplina!
Aula bem planejada, organizada, com intencionalidade e diversificada seguramente terá impacto sobre o aproveitamento, rendimento e comportamento dos alunos. Neste sentido comportamento é via para aprender e não fim em si mesmo, por isto não é critério.

Instrumentos avaliativos e Pesos
Vale destacar que os alunos têm direito de saber de que forma serão avaliados no bimestre e a partir de quais critérios.
Por isto, o professor deve passar um roteiro de estudos, o qual nada mais é que a síntese do plano de trabalho docente, onde contam quais instrumentos avaliativos, para quais conteúdos, quais critérios e que pesos terão.
São cumulativos uma vez que os instrumentos abarcam conteúdos anteriores. Os pesos dos instrumentos de avaliação são definidos pelo professor em função da intencionalidade do conteúdo que será avaliado em cada instrumento. Portanto, tem pesos diferentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário